Sagrado Coração de Jesus: A misericórdia de Deus não cessa por nós!

18/06/2020 17:06 • Artigos
Compartilhar


Queridos irmãos:

Estamos vivendo tempos difíceis e inesperados, nos quais precisamos nos recolher em nossas casas para resguardar a saúde e cuidar daqueles que nos rodeiam e quem amamos. É realmente um verdadeiro chamado à caridade em relação aos irmãos. Tempo oportuno para que a solidariedade se faça presente entre nós. Mas não só isso! Também é um tempo de profundo recolhimento espiritual, porque nos faz pensar na vida e na realidade em que estamos todos inseridos. É um tempo de diálogo com Deus. Ele está falando com a humanidade. Ele está falando com cada um de nós.

Faz pouco que estávamos vivendo com imensa e devota piedade o mês de maio, mês dedicado a Santíssima Virgem, mês de Maria, das ladainhas e da oração do terço, no qual cantamos com carinho e afeto os benditos em honra a Mãe do Céu, e a ela nos recomendamos, reclamando os seus favores, seu patrocínio e as mais copiosas bênçãos da eternidade.

Chegamos em junho! Mês dedicado ao Sacrossanto Coração de Jesus. Mês dos santos juninos: Antônio, João Batista e Pedro. Este ano, em 19 de junho, celebraremos com todo orbe católico a Solenidade do Sagrado Coração de Jesus. A misericórdia de Deus não cessa por nós! Pelo contrário, ela continua nos favorecendo, pois assim diz a Santa Virgem Maria quando entoou o cântico do Magnificat: “sua misericórdia perdura de geração em geração, para aqueles que o temem” (Cf. Lc 1, 50). Para conquistar nossos corações e mostrar sua bondade, Deus nosso Pai, enviou o seu Filho único, Verbo Eterno, que se revestiu da “púrpura da carne humana”, e, assim, assumiu pobremente, nossa condição, exceto o pecado, e não é outro o desejo do nosso Pai Celeste.

Deus Pai quer que amemos o seu Filho Jesus Cristo, por isso ele viveu entre nós, enviado da eternidade, com a finalidade de ganhar nosso amor e atrair para ele o nosso coração. Abandonar-se no profundo oceano da infinita misericórdia, mergulhando e atraídos para dentro do Coração chagado e que arde de amor por nós, faz com que a misericórdia de Deus seja experimentada por cada um de nós.

Com esse mesmo desígnio foi que Santa Margarida Maria foi honrada  em receber do Salvador a revelação, do Coração de Jesus, que ele queria ser amado e o seu bendito coração fosse honrado através de um culto especial para que as almas devotas reparassem, por suas contemplativas e incansáveis homenagens, os agravos atentados contra o seu Sacrossanto Coração Misericordioso.

Compreendemos que a devoção ao Sagrado Coração de Jesus é antiguíssima no seio da Igreja, pois a piedade popular e o estímulo dos Papas fizeram que este amor de Jesus não fosse esquecido por nós homens. É sem equívocos uma das piedades mais difundida e contemplada pelos fiéis católicos. É a primeira devoção do povo crente, pois está fundamentado nas Sagradas Escrituras. Aos pés da cruz, no calvário, o Coração de Jesus foi ferido, de onde manou sangue e água. Do Coração chagado nasceu a Igreja, comunidade imagem da Trindade Santa, que continua manifestando tão grande e sublime amor a toda humanidade. Foi pelo Coração aberto pela lança do soldado que as portas da eternidade se abriram para os que foram resgatados pela misericórdia de Deus.

Mas qual é o sentido dessa Solenidade em nossas vidas, na vida da comunidade paroquial e na sociedade? Esse exercício devocional, não é apenas um momento em que nos reunimos para homenagear o Sagrado Coração de Jesus, mas essa devoção tem um alvo central: Ela nos anuncia algo que vem da revelação: o amor misericordioso de Deus anunciado e concretizado em Jesus Cristo, que entregou a sua vida por toda a humanidade. Muitos Papas discorreram que o Sagrado Coração de Cristo é um sinal maior do amor de Deus por nós, baseando-se na Escritura: Beberemos da água que brotaria de seu Coração…quando saiu sangue e água (cf. Jo 7,37; 19,35). Diz o Papa Francisco que o rosto da misericórdia do Pai é Jesus Cristo. Esta festa tem sentido nas nossas vidas, pois nos permite interiorizar o mistério de Cristo e ao mesmo tempo nos faz sentir o Seu amor infinito por nós revelando, sua ternura e compaixão misericordiosa.

O Sagrado Coração de Jesus anima e edifica a Igreja em sua missão: ser sinal da misericórdia de Deus. Isso faz com que se transpareça a alegria, bondade e doçura do Coração do Bom Pastor. O Papa Emérito Bento XVI nos diz que o culto ao Sagrado Coração de Jesus confunde-se com a história do Cristianismo, ou seja, com as nossas origens. Diz o Papa Emérito: “… esse mistério do amor de Deus por nós não constitui só o conteúdo do culto e da devoção ao Coração de Jesus: é, ao mesmo tempo, o conteúdo de toda verdadeira espiritualidade e devoção cristã. Logo, é importante enfatizar que o fundamento dessa devoção é tão antigo como o próprio cristianismo. De fato, só se pode ser cristão dirigindo o olhar à Cruz de nosso Redentor, a quem transpassaram (João 19, 37; cf. Zacarias 12, 10)”. O Papa Pio XII ensinou, com propriedade, que, também a Igreja e os sacramentos são dons do Sagrado Coração de Jesus.

A Igreja tem uma estima especial a devoção ao Sagrado Coração de Jesus e, particularmente ao Apostolado da Oração, Rede Mundial de Oração do Papa. É a maior instituição devocional no seio da Igreja atualmente. Quem de nós nunca viu as senhoras e senhores com a tradicional fita vermelha sobre os ombros nas missas em nossas comunidades paroquiais?

Portanto, a devoção ao Sagrado Coração de Jesus dá-se não só pelo mero cumprimento devocional, mas como um profundo mergulhar na vivência radical do Evangelho. Prestar culto ao Sagrado Coração de Cristo significa adorar aquele Coração que, depois de nos ter amado até o fim, foi trespassado por uma lança e do alto da Cruz derramou sangue e água, fonte inexaurível de vida nova.

A festa do Sagrado Coração é também o Dia Mundial pela Santificação dos Sacerdotes, ocasião propícia para rezar a fim de que os presbíteros nada anteponham ao amor de Cristo. Que nossos sacerdotes possam, a exemplo do que representa a imagem do Sagrado Coração de Jesus, lançar a sua mão direita, aberta para o infinito, convocando todos os que estão à margem para procurarem o Coração de Cristo, que é a Igreja.

 

Pe. Everton Vieira da Silva

Vigário Paroquial – Paróquia Nossa Senhora da Assunção

Vice-Diretor do Apostolado da Oração

Brasília/DF


 

Compartilhar